Lídia Prata Ciabotti, dona da rádio JM Online, citada na demissão de um servidor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nesta quarta-feira (26), manifesta em suas redes sociais apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e aliados. As informações são da Folha de São Paulo.

Há quatro dias, publicou uma foto entregando um exemplar do Jornal da Manhã, que pertence ao mesmo grupo, à primeira-dama Michelle Bolsonaro, durante visita a Uberaba (MG). Na publicação, diz ter sido um prazer ter conhecido “uma mulher tão carismática”.

No Instagram, Ciabotti também compartilhou um vídeo do empresário e apresentador Roberto Justus, no qual ele diz que votar em Bolsonaro é votar em alguém que “muitas vezes é infeliz nas suas colocações”, mas luta pela “liberdade individual”.

Ela exibe ainda fotos com outros bolsonaristas, como o ex-jogador de vôlei Maurício Souza (PL-MG), recém-eleito deputado federal, e o cantor Latino.

Nesta quarta, Alexandre Gomes Machado foi exonerado do TSE, após o gabinete do presidente da corte, Alexandre de Moraes, avaliar que ele estava tomando atitudes com falta de isenção e aparência de atuação política em sua função, além de atrapalhar os trabalhos na corte.

Em depoimento à Polícia Federal, Machado disse que recebeu um email da rádio “JM ON LINE”, em que a emissora teria dito que, de 7 a 10 de outubro, havia deixado de repassar em sua programação 100 inserções da coligação de Bolsonaro.

O ex-assessor relatou ter comunicado à chefe de gabinete do Secretário-Geral da Presidência sobre o email. Afirmou que cerca de 30 minutos depois de encaminhar o caso soube que estava sendo exonerado. “Porém não lhe foi informado [pelo chefe] quanto à motivação de sua exoneração”.

Na segunda-feira (24), o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PP-RN), convocou coletiva para denunciar que rádios no Nordeste não estariam transmitindo as inserções de propaganda política de Bolsonaro.

Uma ação foi protocolada no TSE e Alexandre de Moraes exigiu mais informações para dar andamento, sob pena de determinar a apuração de crime eleitoral por parte da campanha do chefe do Executivo.

Já nesta quarta-feira (26), o presidente voltou a insinuar que poderia não respeitar o resultado das urnas, fazendo referência ao suposto esquema de fraude na transmissão da propaganda eleitoral.

“O que foi feito, comprovado por nós, pela nossa equipe técnica, é interferência, é manipulação de resultados. Eleições têm que ser respeitadas, mas, lamentavelmente, PT e TSE têm muito o que explicar nesse caso”, declarou.

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *