O prefeito de Arcoverde Wellington Maciel usou suas redes sociais para se defender das críticas pelo Projeto de Lei Complementar 18/22 criando uma taxa de coleta, manejo, e acondicionamento do lixo a ser incorporada na conta de luz.

A oposição e sociedade o acusam de jogar mais uma bomba para explodir no bolso do cidadão arcoverdense.

“A base de oposição criou uma Fake News dizendo que vamos criar o imposto novo do lixo. Isso não é verdade. Não está se criando. Já existe o imposto. A gente está adequando à nova lei federal”.

A lei segundo ele é o Marco Regulatório do Saneamento, que diz ele, a partir de 2023, vai ter que ser implementado em todas as cidades.

“Quando houver estudo, as pessoas podem ser beneficiadas socialmente. Em vez de pagar uma vez, como é o IPTU, vai ser pago em doze parcelas”. Disse que o modelo favorece o fim da inadimplência, favorecendo inclusive as comunidades mais carentes.

Projeto de Lei Complementar 18/22 cria uma taxa de coleta, manejo, e acondicionamento do lixo a ser incorporada na conta de luz. Até então, ninguém explicou o que o gestor disse nas redes.

O presidente da Câmara de Vereadores de Arcoverde, Weverton Siqueira, o Siqueirinha, avisou ao prefeito Wellington Maciel que não colocaria o projeto em pauta. “A matéria merece a máxima participação popular através da realização de audiências públicas”, disse.

Em resposta no Ofício, LW ameaçou Siqueirinha: “Quanto às razões expostas no ofício 0308/2022, importa ressaltar que, caso reiterado o descumprimento da Lei Orgânica quanto à prerrogativa deste chefe do executivo municipal de convocação de sessão extraordinária desta Câmara Legislativa, não lhe restará outra alternativa senão adotar as medidas cabíveis para o restabelecimento do império da lei municipal”.

por Nill Júnior

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *