Teresa avaliou a aliança do partido dos trabalhadores com João Campos

Diante da dúvida sobre a diretriz que o Partido dos Trabalhadores (PT) em Pernambuco deve seguir nas eleições 2024 no Recife, a senadora Teresa Leitão (PT) falou sobre a aliança nacional com o partido do atual prefeito do município, João Campos (PSB) e a relação dele com o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além disso, a parlamentar avaliou a possiblidade da legenda ter uma candidatura própria, caso as coisas mudem no decorrer do ano eleitoral.

É esperado que o pré-candidato a vice-prefeito da chapa de Campos seja o PT, porém até o momento não houve sinalização pública de quem seria o político a ocupar o cargo. Sobre essa questão a senadora mencionou o episódio em que a presidente nacional do partido, Gleisi Hoffman, verbalizou a aliança com João Campos em um evento na capital pernambucana em setembro do ano passado.

“Embora ainda não seja algo consolidado, está em discussão. Há um indicativo, já apresentado ao grupo de trabalho eleitoral, de manutenção da aliança no Recife”, explicou a senadora Teresa Leitão.

ELEIÇÕES 2020 TEVE CANDIDATURA PRÓPRIA DO PT NO RECIFE

A petista relembrou que no pleito de 2020 o Partido dos Trabalhadores teve candidatura própria com Marília Arraes como concorrente. A votação chegou no segundo turno e João Campos foi eleito com 56,27% dos votos contra 43,73% para a candidata do PT.

“Tivemos um confronto eleitoral na última eleição municipal, mas no ano passado, na candidatura de Lula, houve reaproximação e hoje o PT faz parte da base aliada de João Campos. Para nós é importantíssimo ter a vice, como já foi explicitado pela nossa presidenta. Estamos trabalhando para isso, dentro da política, sem imposição”, disse Teresa.

Além disso, a senadora destacou os três mandatos do PT no Recife, dois de João Paulo Lima (PT) entre 2001 e 2008 e um de João da Costa (PT) de 2009 à 2012.

“Estamos mostrando a importância de Lula no palanque da capital do Recife. O PT disputou várias eleições aqui, governou Recife por três mandatos, então um candidato a vice-prefeito do PT dá uma consistência de sintonia com o projeto nacional. Isso está em construção, tanto na aliança da qual o prefeito é o coordenador, como internamente no nosso partido”, continuou.

PT PODE TER CANDIDATURA PRÓPRIA CASO A ALIANÇA SEJA ABALADA

Teresa Leitão destacou que o propósito do PT-PE é “manter a aliança nacional”. Entretanto caso algo venha a acontecer e os partidos não cheguem à um consenso o PT pode vir a ter uma candidatura própria.

A reportagem do JC questionou a parlamentar se o ex-prefeito da cidade e atual deputado estadual João Paulo pode se tornar o candidato da legenda.

“Nesse sentido, a tese da candidatura própria e do nome do deputado João Paulo só existiria se, a meu ver, houvesse um “tsunami” nessa relação com o PSB, algo que impactasse tão fortemente que a aliança com o prefeito fosse desfeita. Nessa situação sim, o PT teria uma candidatura. Mas, repito: isso só se algo muito excepcional ocorresse, capaz de provocar um rompimento. A gente fica torcendo e trabalhando para que haja convergência, que o campo progressista de alianças se amplie e consiga reeleger o prefeito com o vice do PT”, explicou a senadora Teresa Leitão. As informações são do JC Online.

por André Luis 

Share:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *